30 de jun de 2010

Aceitou

Receita

Nega-me o pão, a carne e o vinho
Faz-se ferida com a minha saída
Me coloca para dormir no sofá
E amanhã, deita comigo despida
Faz cara feia se alguém me encara
Briga comigo se acha que olhei de volta
Finge que não liga se eu não ligo
Finge que não ama se não digo
Faz do meu domingo um castigo
Desconfia do meu futebol
Do meu anúncio, meu Sí bemol
Diz que está insatisfeita,
Que queria a vida refeita,
Sair para encontrar o príncipe encantado
Volta dizendo que já encontrou
Volta tão certa que já se encantou
Tirando tudo de imperfeito em mim
Sei que resta algo de bom pra ti
E eu sei que você sabe que é amor
Eu sei que você sabe
Aceitou, aceitou.

5 comentários:

Milla disse...

e quando eu penso q vc já escreveu TUDO
vc me aparece com isso
e eu descubro que não vi a metade de meio terço...
"uma cadeira na ABL para esse cara!" - é o que eu digo...

LUCÉLIA RAMOS disse...

LINDO LINDO LINDO!

PARABÉNS PELOS VERSOS. PARABÉNS PARA A MUSA QUE INSPIROU TAMANHA PAICÊNCIA, CARINHO, COMPREENSÃO, AMOR E POESIA.

VOLTO.

Guilherme Pontes disse...

Estava sumido, Curcino. Até voltei aqui um dia desses e me perguntei onde estaria os versos inéditos do poeta. Voltou e acertou em cheio.

Pedindo assim, acho que ela vai acabar fazendo tudo isso mesmo.

Se me permite, vou mandar sua poesia para minha noiva. Acho que tudo que uma mulher espera é ser amada como ela é, com seus trejeitos, complicações, confusões e delírios.

Não pare de escrever.

Lih disse...

Mas que musa complicada essa, han.

Obrigada por me amar, apesar de todos os meus defeitos.
(:

Milla disse...

"Adoro um amor inventado" - e que amor não o é?
o meu exagero no comentário anterior é proporcional a minha admiração por suas obras. 'comprendes'?
quando for publicar ( o livro) me avise!