15 de nov de 2007

Enfim... Me encontrei?

Amanhã já tem

Enfim, me encontrei pra calar meu silêncio
Me insinuei pra sorte, ir sem par
Pra ver o sol raiar, sozinho, sem estar,
Em paz que o meu amanhã já tem

Noite sim, vento nem, brio que traz
Temporais, redemoinhos ao revés,
Sinais de nada aos meus pés... ficar
Em paz que o meu amanhã já tem



Até fiz de mim um livro que nem quisera ler,
Um segredo mal contado, meio eu, meio você...
Um choro, um veto, um grito, atinar sua razão,
Meia verdade aliviada, coisa que nem fiz questão

Testemunhei minha rotina, bem do alto da varanda
Via meu amor passar, muitas vezes, só lembrança...
Esperei tempo demais um olhar, um brilho, um quê,
__Quando foi que eu perdi a vergonha de viver?



Enfim, me encontrei pra calar meu silêncio
Me insinuei pra sorte, ir sem par
Pra ver o sol raiar, sozinho, sem estar,
Em paz que o meu amanhã já tem.

Um comentário:

‽ ««§εмф†ϊvф»» ‽ disse...

Olá. Desculpe a invasão... descobri seu blog por acaso e sabe, gostei demais, mas não entendo como ninguém comenta nele... tão rápido, simples e objetivas são suas palavras. Blog incrível!!!

É vc mesmo quem escreve estes vrsos? se é, tem dom, muito dom!

Se não lhe encomodar, vou vir aqui constantemente nas minhas horas vagas
E se vc qiser retribuir a invasão no meu blog, fique à vontade

Ray